quinta-feira, 8 de abril de 2010

Quincas Berro D'água

Nome Original: Quincas Berro D’Água
Diretor: Sérgio Machado
Ano: 2010
País: Brasil
Elenco: Paulo José, Luiz Miranda, Marieta Severo, Mariana Ximenes, Valdmir Brichta e outros.
Prêmios: Melhor Direção de Arte e Figurino no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro.
Quincas Berro d'Água (2010) on IMDb

Ir à pré-estreia de Quincas Berro D’água trouxe-me a lembrança episódios da 8ª série. Li “A Morte e a Morte de Quincas Berro D’água” por indicação da professora Sandra. Fiz prova e tudo! Ela foi a primeira professora que não pediu resumo de livro, talvez porque entendesse que uma obra literária não poderia ser resumida nem para fins didáticos. Naquele ano tive meus primeiros encontros reais com a leitura. As palavras tornavam-se mais facilmente vislumbradas e livros de mais de cem páginas já não eram mais tão assustadores. Pois é, tem gente que ensinou tanta coisa para gente. E onde anda Sandra?

Daquele menino e daquela leitura, transcorreram 13 anos. A figura de Quincas e as personagens ao decorrer das páginas mostravam seus “pêsames” como podiam. Cada um chora por onde mais sente. 13 anos passados, me deparo com esta figura novamente e mergulho no pé de pica que tinha se tornado aquela Salvador por conta da morte de figura nada ilustre e mais conhecida que farinha grossa por aquelas bandas. Aliás, que bêbado de carteirinha não faz fama!? E Jorge Amado era danado, conhecia da safadeza humana, da malemolência do baiano e da baiana. E se não conhecia a zona, devia ter informantes dos mais fidedignos (haha!), devia se inebriar com um sorrisinho da mulher da vida mais chinfrim e naqueles trejeitos encontrar inspiração para os seus tipinhos imortalizados.

Claro que livro é livro. Filme é filme. E um menino de 13 anos, não é um homem de 27. Mas acho que o menino e o homem riram do mesmo jeito naquela sessão de ontem à noite. Acho que a diferença entre os dois é que o menino só se sorria, só via aquilo como um grande barato e nada além de um programinha de cinema, já o adulto (pedante) ficou pensando (depois) na crítica que se faz a qualidade de vida do povo de uma das cidades mais importantes do Brasil, na depressão que pode ter levado o respeitável Joaquim a se acabar na manguaça e a margem de todo o respeito que um dia deteve diante da sociedade, virar um Quincas, ou quaisquer outros monstros que só a mente adulta do nosso tempo é infeliz em pensar. Na verdade, toda esta coisa de criança, adulto e blá blá blá é um conselho para que se vá ver o filme sem carapaças. Assista simplesmente, fique no plano da história, das piadas e embaladado por um trilha sonora que vai do maracatu ao brega sem fazer distinção. Programinha de cinema perfeito e indicação aos queridos.



Um respeitável leitor pediu para que eu escrevesse descascando algum filme, ainda não vai ser desta vez. Me aguarde!

Leandro Antonio
Sessões

9 comentários:

  1. Diferentemente do Leandro, nunca li esse livro de Jorge Amado. Aliás, nunca li nada do bom baiano, portanto 'Quincas Berro D'Água' caiu para mim como uma novidade bem agraciada de muito humor, safadeza e Paulo José.

    Não, Marieta Severo, Luiz Miranda, Mariana Ximenes e até o sem graça Vladmir Brichta certamente estão bem em cena, porém sabem que o velho Quincas, ou melhor, o ótimo Paulo José é a grande estrela, mesmo morto. Desde já recomendo, vejam "Quincas Berro D'Água" que estreará 14 de maio nos cinemas, com direção de Sérgio Machado (que é diretor de nossa próxima postagem oficial, "Cidade Baixa").

    Paulo José por 17 anos convive com o Parkinson e como o morto Quincas dá um banho de atuação. Nem é necessário abrir os olhos para ver um gênio da atuação. Um grande ator que merece todo o reconhecimento, e certamente Quincas estará marcado como um de seus grandes papéis.

    A história cheia de humor noturno e ébrios, cheio de amor e de cachaça na cabeça para nunca abandonarem o bom companheiro de bebedeiras. São quatro "filho" agraciados durante o tempo de boêmia de Quincas, além da filha legítima que guarda com vergonha a derradeira mudança de hábitos do pai, por não suportar o comportamento de vossa mãe. Mentia aos outros dizendo que Quinca, logo Quincas era um Comendador.

    E Quincas como bom noiteiro soteropolitano não poderia deixar de ter encantos com várias mulheres. Marieta Severo no papel da espanhola dona de bar está hilária. Seu grande amor se foi, mas não há como crer. Obvio que ele foi e estará no fundo do mar, ao lado de sua mulher ideal, Iemanjá. Junto a ela, certamente estará Jorge Amado e eles farão boas putarias no fundo do mar. E pau no cú do Comendador.

    Vitor Stefano
    Sessões

    Vitor Stefano
    Sessões

    ResponderExcluir
  2. As personagens de Jorge Amado captam a essência da representação social de tal forma que é comum haver a identificação. É bom que nos identifiquemos com o que é sincero. Estou curioso para ver esse filme.


    M.M.
    Sessões

    ResponderExcluir
  3. Vou contar uma historinha que aconteceu em 1989... Estava eu no Jóquei Clube SP, para assistir uma palestra sobre o livro Vitrina, de Sylvia Demetresco..., após um dia de trabalho, sem almoço... Depois de várias doses de Red Label "on the rocks" - de estômago vazio, nem precisava de muitas doses, é verdade - me atraquei com um conhecido, da saída do Jóquei, passando pelo táxi, até a porta de casa... O resto, "prefiro não comentar"! rs

    ResponderExcluir
  4. Carlos Antony Barreto27 de abril de 2010 21:22

    Esta aconteceu comigo numa cidade do interior gaúcho chamada Camaquã. Foi o meu primeiro porre em alto estilo... pois naquele dia eu só queria beber whisky. Como tudo na primeira vez a gente sabe e quer começar mas não aonde vai parar... e eu lembro que encontrei uma "guria" com sobrenome Gomes e disse a ela que eu era sobrinho do grande pintor Nicomedes Gomes (só tinha lido o nome em um livro). Lembro até hoje a cara de alegria dela, pois era a primeira vez que eu dirigia a palavra a dita cuja. Lá pelas tantas eu avistei uma mesa cheia de cervejas e como a expulsar vendilhões do templo eu varri todas as garrafas existentes naquela pobre mesa... bem o resto só lembro minha corrida Forrest Gamp até chegar em casa rumo a minha cama.

    ResponderExcluir
  5. Antes de mais nada, quero novamente agradecer ao @sessoes pela oportunidade de poder ver essa bela obra brasileira (me refiro tanto à literatura como ao filme mesmo). Não conhecia a história de Quincas Berro D'Água, mas já conhecia Jorge Amado.
    Adorei o filme, super divertido, com momentos mais sensíveis, q fala de amizade, malandragem, amor, enfim... tem de tudo! E vc ri o filme inteiro!!
    Como disse o Vitor, ótimas atuações de todo o elenco, mas especial mesmo (pra mim) foi a trilha sonora, que amarrou brilhantemente toda a história.
    Tive o privilégio de poder ver Paulo José ali, na minha frente, pessoalmente. Que vontade que me deu de sair correndo e abraçar aquele velhinho pequeno, frágil, mas um mestre em seu ofício. Não tem pra ninguém, mesmo morto, ele deu um show!!!

    Vamos prestigiar o cinema brasileiro, q não tem tido o espaço que deveria por pura falta de hábito. ;)

    ResponderExcluir
  6. Também quero agradecer por ter sido uma das contempladas para assistir ao filme em São Paulo.
    Quanto ao filme, sem palavras. Ele é íncrivel. Divertido, emocionante, sensível, tudo ao mesmo tempo... As atuações estão excelentes. Ri demais com o espanhol tupiniquim da Marieta Severo.
    E claro, descobri que eu bebo pra não pegar pneumonia, tá? hahahaha
    E também adorei ter visto o Paulo José pessoalmente. Queria colocar ele na minha estante!
    Recomendo a todos a assistirem ao filme.

    Abraços!
    Ana

    ResponderExcluir
  7. É engraçado como 'Quincas Berro D'água' remete, quase que automaticamente, à infância. Também o li por volta dos 12, 13 anos de idade, mas minha maior referência está nos comentários que meu pai costumava fazer, toda vez que via um bêbado cambaleando pela rua... "Lá vai o Quincas Berro D'água"... O mesmo era válido para qualquer um que considerasse vagabundo.
    Porém só fui compreender o enredo de Jorge Amado mais madura, quando conheci um pouco da história do povo baiano e, num sopetão, me apaixonei pela obra.
    Fico muito feliz em tê-la adaptada ao cinema e extasiada por ver José Paulo de volta à ativa. Assim que puder, irei ao cinema conferir!
    Parabéns pelo ótimo post!

    ResponderExcluir
  8. Ótimos rumores sobre esse filme, to ansiosa pra ver!

    ResponderExcluir
  9. Qual o autor do livro que é baseado 'Quincas Berro D'Água'?
    R; Jorge Amado

    - Qual o diretor do filme (dica, ele também é diretor de 'Cidade Baixa', comentado aqui)?
    R:Sérgio Machado
    - Qual é o animal verde que aparece no trailer? Quantas vezes?
    R: Sapo. Aparece 2 vezes

    - Qual é o nome do ator que interpreta Quincas? Com qual
    doença ele convive a 17 anos (dica, resposta está nos comentários da postagem sobre o filme 'Quincas Berro D'Água')?
    R: Paulo José, alcoolismo

    - Qual bebida Quincas mais gosta?
    R: Cachaça

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...