quarta-feira, 16 de abril de 2014

Divergente



Nome Original: Divergent
Ano: 2014
Diretor: Neil Burger
País: EUA
Elenco: Shailene Woodley, Theo James, Kate Winslet, Ashley Judd, Zoë Kravitz, Miles Teller e Jai Courtney.
Prêmio: Personagem Favorito (Tris - Shailene) no MTV Movie Award.

Não comecem comparando com o livro. Aquela velha máxima onde o livro é o livro e o filme é o filme. De cabeça consigo lembrar de apenas 2 filmes que são melhores que o livro ("Mar Adentro" e "O Escafandro e a Borboleta") e ambos tem a peculiaridade de serem relatos de seres humanos sobre sua degradação física. Quando se tratam de ficções essa missão é quase impossível (destaque para a Trilogia do Senhor dos Anéis). Portanto, desde já, nem vamos comparar (até porque nem li o livro). 

Para quem, como eu, nunca tinha ouvido falar do livro e da trilogia, não fique preocupado pois logo no começo há uma ótima explicação da lógica do que veremos pelos próximos filmes da quadrilogia (trilogia em livros). Também não vou comparar com Jogos Vorazes, apesar de ser um entretenimento tão bom quanto e ter assuntos bem próximos. Vou sintetizar: um futuro próximo, estamos em Chicago, mundo pós guerra e numa sociedade pacifica e dividida em 5 facções, onde cada uma contribui com um diferente setor da sociedade. As 5 facções estão simplificadas na imagem abaixo:


Aos 16 anos todas as crianças devem fazer um teste de aptidão para saber em qual se enquadram, mas a escolha é deles. E os que não se enquadram em nenhum desses, você me perguntará. Esses são os sem-facções, uma espécie de sem teto, cuidados pelos cidadãos da Abnegação. Há os que se enquadram em mais de uma facção e são vistos como os divergentes, uma ameaça à paz e a estrutura definida. Facção a frente da Família é o lema dessa nova sociedade A partir dessa premissa, muito interessante e atrativa é que "Divergente" evolui. Um mundo muito próximo do nosso, talvez com 5 continentes, 5 "povos", os abandonados e os intrometidos.



Quem nos conta a história é Beatrice, uma menina próxima à fazer a sua escolha. Criada na Abnegação, tem em seus pais um motivo de grande orgulho. Ajudar ao próximo é gratificante. Mas há dentro da menina algo a mais. Algo diferente. Ela vê na Audácia uma ousadia que lhe enche o peito. A partir de seu teste uma confusão mexe com sua cabeça ao saber que é uma divergente. A escolha pela Audácia surpreende seus pais, mas que nunca a abandonarão. Sabem que tem uma filha diferente. Ao chegar na sua "nova casa" muda de nome para Tris e percebe que precisará trabalhar muito forte na parte física para se destacar. Há também os testes de invasão da mente, um ótimo destaque da trama. Contará com a ajuda de Quatro, um jovem que se destacou muito na Audácia. Um romance surge e certamente causará alvoroço nas adolescentes. Tem mais carisma que o casal da Saga Crepúsculo.



"Divergente" evolui bem, de forma lógica e inteligente, enfocando assuntos interessantes como massificação de informação, domínio entre as facções, disputa da liderança da sociedade pelos representantes de cada facção, jogos de guerra. Muito interessante toda a lógica e com um resultado muito bom. Claro que há o relacionamento entre Tris e Quatro, mas não é o ponto central. Há absurdos, como sempre haverão, mas é uma ficção, apesar das semelhanças com esse mundo que vivemos. Shailene e Theo James tem bons rostos, atuações boas para novatos e carisma. Kate Winslet é a única atriz estrelada do filme e está ótima como Jeanine, representante da Audácia. Bom ritmo. Lindas locações. E trilha sonora modinha jovial, mas que casa muito bem. Se Jogos Vorazes embalou no segundo filme (na minha opinião), aqui já embalou logo no primeiro. Mas não vou mais citar... Sem comparações... Que venham os próximos filmes. Que mantenham a coerência e a lógica. Que façam mais entretenimento inteligente como esses.

Vitor Stefano
Sessões

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Sessões Promoção - Divergente - PROMOÇÃO ENCERRADA

PROMOÇÃO ENCERRADA!!!!


"Divergente" promete ser a nova sensação dos cinemas. Estréia mundial na próxima quinta-feira, 17 de abril, está sendo aguardada por milhares de fãs da saga de livros escrito por Veronica Roth. Serão 4 filmes pros 3 livros da trilogia. Certamente será um sucesso. "Divergente" é o primeiro filme dessa nova febre.

Sabe do que se trata "Divergente"? Veja o trailer.


Quem nasceu para ser divergente, nunca será um tributo.

E nós do Sessões não poderíamos ficar de fora dessa hecatombe cultural. E para entrar nessa onda, vamos fazer uma promoção com parceria com a Paris Filmes. Estamos com 8 pares de ingressos. Quem está interessado neles? Para levar um desses pares é fácil. Responda a pergunta abaixo nos comentários desse post. Os 8 primeiros a responder levam. Essa vai ser fácil para todos participarem!!!

PERGUNTA: Qual a única atriz do filme que já venceu o Oscar?

Dica: Ela aparece no trailer.

* Não se esqueça de identificar-se para podermos enviar o prêmio.
** Ingressos válidos de segunda a quinta (exceto feriados) em todos cinemas onde o filme estiver sendo exibido (exceto Cinemas Araújo, Cidade Jardim, Cinemark Iguatemi, Cinepolis JK Iguatemi, Grupo Estação, Kinoplex ParkShopping Platinum, Kinoplex Vila Olímpia Platinum, Cine Cataratas, Cine Boulevard, Salas IMAX, Salas UCI De Lux, Cine Recreio Cabo Frio e Salas VIP. O convite não é válido para Salas 3D e XD.


Participe. Rápido para não perder! Lembrando que o filme estreia na quinta-feira 17/04/2014. Não perca!





PS: A promoção está encerrada. Segue abaixo a listagem dos vencedores dos pares de ingresso para Divergente. Publicaremos no Facebook e Twitter do blog os vencedores para que entrem em contato com os ingressos para enviarmos pelo correio. Seguem:

VENCEDORES:
- Milena Soares
- Gustavo Magno
- Fabiano Malaquias Correa
- Ana Claudia Praconi
- Igor
- ReneesmeSwan
- Ana Carolina Ribeiro
- Cintia Rodrigues.


Site do Filme - http://divergenteofilme.com.br/
Facebook do filme - https://www.facebook.com/DivergenteOFilme
Twitter da Paris Filmes - https://twitter.com/ParisFilmes

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Jovem e Bela

Nome Original: Jeune & Jolie
Ano: 2013
Diretor: François Ozon
País: França Elenco: Marine Vacth, Géraldine Pasilhas, Frédéric Pierrot e Fantin Ravat.
Sem Prêmios.



Sexo por dinheiro. Safadeza? Necessidade? Fetiche? Aventura? Hobby? Tudo isso e muito mais. “Jovem e Bela” é um filme belíssimo sobre a adolescência, sobre amores, sobre paixões, sobre sexo e sobre como as relações humanas são complexas. A vida é uma montanha russa sem fim, com altos e baixos, descidas e subidas, começos e fins. Montanhas de emoções exacerbadas ou estáticas. Uma vida é uma vida. E nunca será diferente.



Uma crônica que convivemos, ouvimos falar, sabemos que existe ou mesmo vivemos, mas numa sociedade hipócrita como a nossa, nunca admitimos que seja real. Quem na faculdade nunca ouviu dizer que “aquela ali é puta”, “aquela é profissa” ou algo do tipo? Prostituição é um tema de difícil abordagem onde pode cair na pornografia ou no recalque afim de não atingir o público. Ozon sabe exatamente o ponto limiar entre esses dois abismos e brinca de contar história de Isabelle. Uma bela jovem de 17 anos, estudante, advinda de uma família abastada e que após perder a virgindade de forma traumática, arrisca. Gosta. Faz cada dia mais. Discreta e tentando parecer mais velha, faz uma clientela fiel. Fideliza. Apaixona e deixa-se apaixonar. Por qual motivo ela chega a essa situação? Respostas não são fáceis, mas motivos são vários, mas não são possíveis de explicação. E quem quer responder os porquês da primeira profissão da história?



Marine Vacth tem uma beleza impressionante e está estupenda no papel da jovem. Ozon tem um olhar único no cinema atual. É capaz com histórias aparentemente densas dar um toque gentil às cenas mais pesadas e uma força a cenas cotidianas. Retrata a sociedade de forma tão clara que é impossível não se ver na tela. Seja no papel da jovem ou do senhor que busca seus serviços, de pai e mãe ou mesmo de um vizinho que vê tudo isso pela janela.

Vitor Stefano
Sessões

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Sessões Promoção - O Congresso Futurista - PROMOÇÃO ENCERRDA

PROMOÇÃO ENCERRADA!!!

O israelense Ari Folman gostou tanto das animações que retorna ao gênero em "O Congresso Futurista". Multi premiado, o filme conta a história de Robin Wright, uma atriz de Hollywood, que já teve seu auge e uma promissora carreira. Uma proposta vai mudar sua vida: scannear sua imagem a transformando uma atriz virtual, perenizando sua juventude. No futuro, o Congresso tentará convencê-la a se render de vez ao mundo da fantasia e esquecer seu passado. Uma grande viagem.

Veja o que te espera:


Incrível. Um visual maravilhoso. Para ver esse filme nas telonas é fácil. Seja um dos 3 primeiros a responder a pergunta abaixo nos comentários desse post e corra para os cinemas.

PERGUNTA: Qual é o filme-animação-documentário dirigido por Ari Folman que concorreu ao Oscar de Melhor Filme de Língua Não Inglesa de 2009? (#dica - esse filme já foi comentado no Sessões).

** RESPOSTA: Valsa com Bashir

Vencedores:
- Gustavo Magno
- Fabiano Malaquias Correa
- Milena Soares

Corra! Não esqueça de se identificar para enviarmos o par de ingressos. Essa é mais uma parceria com a Imovision.

Equipe do Sessões

segunda-feira, 24 de março de 2014

Sessões Dupla - Ninfomaníaca




Nome Original: Nymphomaniac: Vol I / Vol II
Ano: 2013
Diretor: Lars von Trier
País: Dinamarca, Alemanha, França, Belgica e Reino Unido.
Elenco: Charlotte Gainsbourg, Stellan Skarsgård, Stacy Martin, Shia LaBeouf, Christian Slater, Uma Thurman, Willem Dafoe e Jamie Bell.
Prêmios: Bodil de Melhor Atriz (Charlotte Gainsbourg).
Ninfomaníaca: Volume 1 (2013) on IMDb / Ninfomaníaca: Volume 2 (2013) on IMDb




Viciada em sexo. Não. Não é só isso. “Só isso” é deboche. Isso é o que o filme entoa. Tudo o que se ouviu em torno do novo filme do Lars Von Trier, como: pornô escatológico ou erótico pseudo-filme de arte. Pensei até que seria mais um filme em que as mulheres são sofredoras e abusadas por uma sociedade machista e impositiva como, normalmente, são os filmes de Trier. Após ver os dois volumes chego à conclusão: Lars surpreendeu. Ao menos a mim. Esperava mais uma bomba cinematográfica, pedante e presunçosa como os seus dois últimos filmes: “Anticristo” e “Melancolia”. Pensei até que estava numa derrocada, num momento errático. Ao optar em ser simples e contar uma história de forma retilínea, provou que eu devo colocar o rabo entre as pernas e aplaudir. Invernos modorrentos podem ser superados por Primaveras acaloradas. Uma simples brisa pode gerar um furacão.


Após ser encontrada, machucada e violentada, Joe é acolhida por Seligman. “Homem Abençoado” em alemão. Cai-lhe bem. Um senhor que como um anjo cuida da coitada. Coitada. Chá e bolo para confortar. Abre a possibilidade de contar como chegou àquele estado. Ela está disposta a contar. E ele está de ouvir? Ela o prepara para o pior, para o demoníaco, para o profano. Ele vai ouvir. Sem filtros, sem barreiras, mas sempre com comentários e analogias. Como num livro, Joe divide sua história em capítulos. Evoluímos de forma cronológica por meio de flashbacks com o intuito de sabermos como ela chegou a esse estado, como uma ninfomaníaca. Como uma criança, indefesa e inocente busca no órgão genital prazer? De onde vem o caos? Passo a passo, passa a nomear os capítulos com objetos do quarto que repousa, busca a busca de sentido de sua vida. Quer que seus sentimentos sejam palpáveis. Mensuráveis. A eterna busca pelo auto entendimento. Seja como isca ou com um espelho. Essas analogias são caminho para alcançar a sua meta.


Desde deslizar a vagina na corda até sessões com hora marcada de sadomasoquismo, passando por competição de quem faz mais sexo no trem e apaixonar-se, há em Joe um aspecto único: é uma mulher muito forte, determinada. Uma mulher à frente de seu tempo. Uma mulher única. Se Joe fosse um homem diríamos que é um filme de um homem comum, de um homem ousado, no máximo. Uma sociedade machista e hipócrita, na qual vivemos, qualquer mulher “fora do quadrado” é considerada puta, vaca ou qualquer outro adjetivo de cunho depreciativo. Uma sociedade de merda. Aí é a grande sacada de “Ninfomaníaca”. Aí é que Lars volta a ser Lars. Aí que os preceitos de "Dançando no Escuro", “Dogville” e “Manderlay” estão presentes. Criticar a sociedade com chicotadas de nós na bunda é para poucos. Joe sofre por prazer.


“Ninfomaníaca” claramente foi dividido em dois capítulos por questões comerciais. Não é comum que filmes de 4 horas sejam exibidos em uma só vez. Poucos com 3 horas conseguem chegar às telonas com êxito ou sem serem podados. Eu vi os dois em sequencia e não me foi cansativo. Pelo contrário, ao final do Volume I fiquei instigado, querendo ver mais. Já com o final do Volume II não fiquei animado. Me pareceu óbvio, porém condizente com o desenrolar do filme, mas não estragou em nada tudo que foi construído. Todo elenco está muito bem, se doando ao máximo. Destaques para Shia LaBeouf, Jamie Bell, Stellan Skarsgard e a musa de Trier, Charlotte Gainsbourg, doada ao papel de Joe adulta. Sem pudores . Veja mesmo se for muito católico. Veja o filme sem filtros. Veja o filme sem medo. Veja. Apenas veja. Ele está voltando. Trier está voltando.

Vitor Stefano
Sessões
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...