sexta-feira, 23 de maio de 2014

Ernest & Celestine

Nome Original: Ernest et Célestine
Ano: 2012
Diretor: Stéphane Aubier, Vincent Patar e Benjamin Renner
País: Luxemburgo, França e Bélgica.
Vozes: Forest Whitaker, Lambert Wilson, Pauline Brunner, Mackenzie Foy, Lauren Bacall, Paul Giamatti e William H. Macy.
Prêmios: SACD Prize (Directors' Fortnight) – Menção Especial no Festival de Cannes e César de Melhor Animação
Ernest e Célestine (2012) on IMDb



Como não se encantar? Como não se emocionar? Como não se indignar? Um mundo injusto por uma sociedade preconceituosa. Não aceitar o outro do jeito que é corrobora a ininteligência e ignorância de um povo exclusivista. Uma guerra sem fim. Uma vida infeliz. Dois que são um e um. A vida em sociedade nunca foi fácil e nunca será. Diferenças entre opiniões, divergir de posturas podem ser considerados e saudáveis para uma sociedade igualitária, porém não tolerar as diferenças é um câncer a qualquer vida pacifica. Negros e Brancos? Judeus e Palestinos? Americanos e o Resto do Mundo? Não, estamos falando de Ursos e Ratos, mas vale para todas as outras opções. Animações dando lição de moral para humanos. Crie seus filhos com desenhos assim, não com bobagens. A amizade entre Ernest e Celestine só prova que a diferença está nos olhos de quem vê, mas todos são iguais, tem sentimentos, tem vida e tem consciência.


Julgar e ser julgado. Saber o limite. Pensar no próximo. Ajudar. Estender a mão. Olhar nos olhos. Se colocar no lugar do outro. Não tolerar a intolerância. Uma animação genial. Um desenho incrível. Uma história real. Antes de pensar em qualquer animação para ver, pense sempre nessa. “Ernest & Celestine” é absolutamente incrível e genial. É uma lição de vida. Repito, pois é disso que realmente precisamos. Lições de moral. Lições de civilidade. Lições de humanidade vindos de um rato e um urso. 80 minutos de deslumbramento. Stéphane Aubier, Vincent Patar e Benjamin Renner merecem que eu tire meu chapéu. Meu filho verá “Ernest & Celestine”. Eu verei. Minha vó verá! Um filme para todas as idades, mas as crianças podem absorver melhor por não ter vícios. Desintoxique-se!

Vitor Stefano
Sessões

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Entre Vales

Nome Original: Entre Vales
Ano: 2012
Diretor: Philippe Barcinski
País: Brasil, Alemanha e Uruguai.
Elenco: Ângelo Antônio, Daniel Hendler, Melissa Vettore e Inês Peixoto.
Prêmios: Melhor Filme e Prêmio Itamaraty no Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo, Melhor Filme, Ator (Ângelo) e Atriz (Melissa) no Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe.
Entre Vales (2012) on IMDb



Vicente, um homem bem sucedido, sócios de uma consultoria, casado, com um filho muito amoroso onde vivem numa casa muito bonita em algum bairro bacanudo de São Paulo. Seu trabalho consiste em trabalhar em aterros sanitários, preparação dos solos para receber o lixo. Competente e dedicado, vê que tudo ao seu redor começa a desmoronar. Sua empresa está prestes a ser vendida. Seu casamento beira a separação. Seu filho perde o rumo. Vicente vai mudar.

Antônio, catador de lixo num aterro sanitário, homem de poucas palavras, introspectivo. Entre um dia e outro no lixão cria vínculo com outro catador e consegue sair de lá. Busca melhorar de vida. Tentar voltar a ser alguém visto pela sociedade. Ser invisível para Antônio é importante, mas precisa voltar a viver. Precisa renascer. Antônio vai mudar.



Vicente e Antônio. Suas vidas se cruzarão. Suas vidas se integrarão. Suas vidas é uma vida. A mesma pessoa em tempos distintos e contados numa narrativa não linear entre os personagens. Uma vida que oscila entre vales e infernos. Um filme de um personagem central muito bem construido e costurado de forma que chega a surpreender, apesar da aparente previsibilidade dos fatos. Já gostava muito do primeiro filme do Barcinski, "Não por Acaso", e aqui há alguma ligação com ele. Além de ter São Paulo como ambiente, aos personagens há uma angustia, um distanciamento entre o que vivem e o que realmente querem viver.  É um filme sensível. Denso. Mas, apesar disso, você sai da sala de cinema com uma esperança no coração.

O cinema nacional é um patrimonio público. Infelizmente, vocês que não o prestigiam, fazem como os que pixam os monumentos. Não ver esse filme é depreciar o que é nosso. Olhar ao inicio da sessão uma sala com 5 pessoas é de entristecer qualquer católico. Eu creio no cinema nacional.

Vitor Monteiro
Sessões

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Sessões Promoção - Entre Vales - PROMOÇÃO ENCERRADA

O cinema nacional se prova cada vez mais multifacetado e com uma diversidade ímpar. Das comédias debiloides globais a documentários intimistas e entre isso dramas familiares e profundos. "Entre Vales" se enquadra nesse último quesito.

O novo filme de Philippe Barcinski é um mergulho na vida de Vicente e as perdas em sua vida. Uma história dura e qua aborda a fragilidade do ser humano e a sua capacidade de se recriar. Só pelo trailer, dá pra ver o quão lindo é esse filme:




E para ver esse belíssimo filme protagonizado pelo maravilhoso Ângelo Antônio, é fácil. Em mais uma parceria com a excelente Imovision, os 3 primeiros a responder a pergunta nesse post levarão um par de ingressos.

PERGUNTA: Qual é o nome do longa metragem anterior de Philippe Barcinski? (dica: protagonizado por Rodrigo Santoro).


Vencedores:
Fabiano Malaquias Correa
Fabio Astaire
Gustavo Magno

Não esqueçam de se identificar e manter contato para enviarmos o prêmio.


E não esqueça, priorizar o cinema nacional também é uma forma de protesto! Valorize o que é nosso!

Equipe Sessões
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...