segunda-feira, 28 de abril de 2014

O Congresso Futurista



Nome Original: The Congress
Ano: 2013
Diretor: Ari Folman
País: Israel, Alemanha, Polônia, Luxemburgo, França e Bélgica.
Elenco: Robin Wright, Paul Giamatti, Harvey Keitel e Sami Gayle.
Prêmios: Melhor Atriz (Robin), Melhor Filme e Melhor Roteiro no Austin Fantastic Fest e Melhor Animação no European Film Awards.
O Congresso Futurista (2013) on IMDb

 


Desenhos já deixaram de ser sinônimos de filmes infantis há tempos. Certamente os mangás foram pioneiros nessa abordagem em formato infantil e assunto adulto, mas acredito que a popularização desse estilo foi com “Os Simpsons”, que já está no ar há 25 anos em horário nobre nos States. Com o sucesso muitos filmes continuaram a utilizar o desenho para contar histórias. Ari Folman fez isso magistralmente em “Valsa com Bashir” em 2008. Agora, em seu novo filme, volta a utilizar a técnica mesclando com um filme convencional. O resultado é “O Congresso Futurista”, uma verdadeira loucura. Uma viagem psicodélica. Um mergulho no fundo do ser humano.

Apesar de não ser um documentário ou uma biografia, a atriz Robin Wright interpreta a si própria. Vive uma atriz decadente, que tinha tudo para ter uma carreira brilhante, porém por equívocos em escolhas a fizeram ser uma atriz renegada e “esquecível”. Seu agente aparece com uma nova oportunidade. Talvez a última. É diferente de tudo que já se ouviu. Uma proposta ousada, diferente, porém uma nova tendência. Os atores são escaneados completamente, desde o corpo até expressões faciais. Todos esses movimentos gerarão um “ator virtual” capaz de reproduzir quaisquer solicitações de diretores e produtores. Assim que o contrato, válido por 20 anos, é assinado e a transposição digital é feita, o ser humano deve sumir do mapa, se isolar. Assim que a digitalização foi concluída, entramos num mundo virtual. Desenhos que beiram o infantil, de figuras loucas, mutantes e históricas. De Jesus a John Lennon. Todos estão lá, nesse congresso de um mundo de faz de contas. Nessa fábula (ir)real, onde a obsessão por ser mais que outro supera qualquer ética entre atores. Atuar é uma benção. Ser humano é uma loucura.



Folman construiu uma nova forma de contar histórias. Se em “Valsa com Bashir” vimos um documentário pessoal, percebemos que em “O Congresso Futurista” ele é capaz de criar um mundo absolutamente irreal espelhado nas loucuras reais. Mesclar filme tradicional com desenho é uma escolha muito acertada. O roteiro beira a psicodelia, num ritmo muito bom. Robin Wright é uma atriz pouco conhecida mesmo, mas aqui tem talvez o seu melhor papel. Ainda bem que antes de ser digitalizada. Será isso possível? Será? Tudo é possível.

Vitor Stefano
Sessões

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Os Amantes da Ponte Neuf


Nome Original: Les Amants du Pont Neuf
Ano: 1991
Diretor: Leos Caraix
País: França
Elenco: Julliete Binoche e Dennis Lavant.
Prêmios: Melhor Atriz no European Film Awars



Uma obra-prima. Um conto maravilhoso. Uma epopeia visual. Um desbunde experimental. Isso tudo pode definir “Os Amantes da Ponte Neuf”, mas tudo isso não define nada. Como Alex e Michele. São tudo e não são nada. Amores, paixões, vidas jogadas na sarjeta. Dois sem-teto vivendo na ponte mais antiga da Cidade Luz. Um desbunde visual. Um relacionamento amoroso, como tantos outros, mas diferente de tudo. Visceral e emocionante. A ponte Neuf nunca mais foi a mesma.

Michele é uma pintora de classe média, traumatizada com o fim do relacionamento, filha de um general e vive com uma doença rara nos olhos, que a está cegando aos poucos. Alex faz performances circenses e tem muitos problemas para dormir, viciado em sedativos, álcool e drogas. Por obra do destino tornam-se amigos, companheiros, amantes e dependentes. Um rumo perigoso para moradores de uma obra de restauração. Próximo ao bicentenário da Revolução Francesa a cidade vive um momento especial. Alex e Michele também estão em obra. Também estão em revolução. Acompanhamos passo a passo um cronograma de construção de uma paixão que vai da ternura à loucura. Subversivo. Mágico! Um momento único. Delírio puro.


Leos Caraix é megalomaníaco. Faz tudo para que tudo seja impactante, maravilhoso. E faz. Consegue nos inserir na Paris do começo dos anos 90. Consegue nos expor ao amor. Muito disso para as atuações geniais de Dennis Lavant e Juliette Binoche. Doados aos papéis. São Alex e Michele. Estão lá, são eles. Uma obra genial e apaixonante. Caraix é conhecido por sempre criar novos estilos e formas de filmar, mas ele se provou muito capaz de contar uma história de amor. Ao seu jeito. Ao seu estilo. Ao seu modo. É uma maravilha. Um colírio visual. Uma adrenalina que não vem em comprimidos. Uma poesia

Vitor Stefano
Sessões

Sessões Promoção - O Palácio Francês - PROMOÇÃO ENCERRADA

O cinema francês é um dos principais do mundo. É renomado por tantos diretores geniais, pela Nouvelle Vague, pelos dramas. Mas há muita comédia boa feita por lá. E "O Palácio Francês", de Bertrand Tavernier, é mais uma dessas. Veja o trailer:



Comédia sim. Humor idiota não. Estamos tão acostumados com comédias de baixa qualidade no Brasil, que alguns até torcem o nariz quando ouvem dizer algo sobre o gênero. "O Palácio Francês" é um filme que aborda temas políticos e com grande grau de críticas à fatos ocorridos.

O filme é baseado nos fatos reais da graphic novel "Quai d'Orsay" de Abel Lanzac e Christopher Blain na qual relata a louca vida do ministro. Todos os nomes foram alterados. E quem quer ver esse belo filme por conta do Sessões? Veja a pergunta abaixo:

PERGUNTA: Qual o nome real do ministro ao qual "O Palácio Francês" foi baseado?

RESPOSTA: Dominique de Villepin

Vencedores:
Fabiano Malaquias Correa
Ana Praconi
Milena Soares 

Os 3 primeiros comentários com a resposta correta levarão um par de ingressos para ver "O Palácio Francês. Não esqueçam de se identificar.



Mais uma parceria com a excelente Imovision. Participe!!!

Equipe Sessões

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Divergente



Nome Original: Divergent
Ano: 2014
Diretor: Neil Burger
País: EUA
Elenco: Shailene Woodley, Theo James, Kate Winslet, Ashley Judd, Zoë Kravitz, Miles Teller e Jai Courtney.
Prêmio: Personagem Favorito (Tris - Shailene) no MTV Movie Award.

Não comecem comparando com o livro. Aquela velha máxima onde o livro é o livro e o filme é o filme. De cabeça consigo lembrar de apenas 2 filmes que são melhores que o livro ("Mar Adentro" e "O Escafandro e a Borboleta") e ambos tem a peculiaridade de serem relatos de seres humanos sobre sua degradação física. Quando se tratam de ficções essa missão é quase impossível (destaque para a Trilogia do Senhor dos Anéis). Portanto, desde já, nem vamos comparar (até porque nem li o livro). 

Para quem, como eu, nunca tinha ouvido falar do livro e da trilogia, não fique preocupado pois logo no começo há uma ótima explicação da lógica do que veremos pelos próximos filmes da quadrilogia (trilogia em livros). Também não vou comparar com Jogos Vorazes, apesar de ser um entretenimento tão bom quanto e ter assuntos bem próximos. Vou sintetizar: um futuro próximo, estamos em Chicago, mundo pós guerra e numa sociedade pacifica e dividida em 5 facções, onde cada uma contribui com um diferente setor da sociedade. As 5 facções estão simplificadas na imagem abaixo:


Aos 16 anos todas as crianças devem fazer um teste de aptidão para saber em qual se enquadram, mas a escolha é deles. E os que não se enquadram em nenhum desses, você me perguntará. Esses são os sem-facções, uma espécie de sem teto, cuidados pelos cidadãos da Abnegação. Há os que se enquadram em mais de uma facção e são vistos como os divergentes, uma ameaça à paz e a estrutura definida. Facção a frente da Família é o lema dessa nova sociedade A partir dessa premissa, muito interessante e atrativa é que "Divergente" evolui. Um mundo muito próximo do nosso, talvez com 5 continentes, 5 "povos", os abandonados e os intrometidos.



Quem nos conta a história é Beatrice, uma menina próxima à fazer a sua escolha. Criada na Abnegação, tem em seus pais um motivo de grande orgulho. Ajudar ao próximo é gratificante. Mas há dentro da menina algo a mais. Algo diferente. Ela vê na Audácia uma ousadia que lhe enche o peito. A partir de seu teste uma confusão mexe com sua cabeça ao saber que é uma divergente. A escolha pela Audácia surpreende seus pais, mas que nunca a abandonarão. Sabem que tem uma filha diferente. Ao chegar na sua "nova casa" muda de nome para Tris e percebe que precisará trabalhar muito forte na parte física para se destacar. Há também os testes de invasão da mente, um ótimo destaque da trama. Contará com a ajuda de Quatro, um jovem que se destacou muito na Audácia. Um romance surge e certamente causará alvoroço nas adolescentes. Tem mais carisma que o casal da Saga Crepúsculo.



"Divergente" evolui bem, de forma lógica e inteligente, enfocando assuntos interessantes como massificação de informação, domínio entre as facções, disputa da liderança da sociedade pelos representantes de cada facção, jogos de guerra. Muito interessante toda a lógica e com um resultado muito bom. Claro que há o relacionamento entre Tris e Quatro, mas não é o ponto central. Há absurdos, como sempre haverão, mas é uma ficção, apesar das semelhanças com esse mundo que vivemos. Shailene e Theo James tem bons rostos, atuações boas para novatos e carisma. Kate Winslet é a única atriz estrelada do filme e está ótima como Jeanine, representante da Audácia. Bom ritmo. Lindas locações. E trilha sonora modinha jovial, mas que casa muito bem. Se Jogos Vorazes embalou no segundo filme (na minha opinião), aqui já embalou logo no primeiro. Mas não vou mais citar... Sem comparações... Que venham os próximos filmes. Que mantenham a coerência e a lógica. Que façam mais entretenimento inteligente como esses.

Vitor Stefano
Sessões

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Sessões Promoção - Divergente - PROMOÇÃO ENCERRADA

PROMOÇÃO ENCERRADA!!!!


"Divergente" promete ser a nova sensação dos cinemas. Estréia mundial na próxima quinta-feira, 17 de abril, está sendo aguardada por milhares de fãs da saga de livros escrito por Veronica Roth. Serão 4 filmes pros 3 livros da trilogia. Certamente será um sucesso. "Divergente" é o primeiro filme dessa nova febre.

Sabe do que se trata "Divergente"? Veja o trailer.


Quem nasceu para ser divergente, nunca será um tributo.

E nós do Sessões não poderíamos ficar de fora dessa hecatombe cultural. E para entrar nessa onda, vamos fazer uma promoção com parceria com a Paris Filmes. Estamos com 8 pares de ingressos. Quem está interessado neles? Para levar um desses pares é fácil. Responda a pergunta abaixo nos comentários desse post. Os 8 primeiros a responder levam. Essa vai ser fácil para todos participarem!!!

PERGUNTA: Qual a única atriz do filme que já venceu o Oscar?

Dica: Ela aparece no trailer.

* Não se esqueça de identificar-se para podermos enviar o prêmio.
** Ingressos válidos de segunda a quinta (exceto feriados) em todos cinemas onde o filme estiver sendo exibido (exceto Cinemas Araújo, Cidade Jardim, Cinemark Iguatemi, Cinepolis JK Iguatemi, Grupo Estação, Kinoplex ParkShopping Platinum, Kinoplex Vila Olímpia Platinum, Cine Cataratas, Cine Boulevard, Salas IMAX, Salas UCI De Lux, Cine Recreio Cabo Frio e Salas VIP. O convite não é válido para Salas 3D e XD.


Participe. Rápido para não perder! Lembrando que o filme estreia na quinta-feira 17/04/2014. Não perca!





PS: A promoção está encerrada. Segue abaixo a listagem dos vencedores dos pares de ingresso para Divergente. Publicaremos no Facebook e Twitter do blog os vencedores para que entrem em contato com os ingressos para enviarmos pelo correio. Seguem:

VENCEDORES:
- Milena Soares
- Gustavo Magno
- Fabiano Malaquias Correa
- Ana Claudia Praconi
- Igor
- ReneesmeSwan
- Ana Carolina Ribeiro
- Cintia Rodrigues.


Site do Filme - http://divergenteofilme.com.br/
Facebook do filme - https://www.facebook.com/DivergenteOFilme
Twitter da Paris Filmes - https://twitter.com/ParisFilmes

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Jovem e Bela

Nome Original: Jeune & Jolie
Ano: 2013
Diretor: François Ozon
País: França Elenco: Marine Vacth, Géraldine Pasilhas, Frédéric Pierrot e Fantin Ravat.
Sem Prêmios.



Sexo por dinheiro. Safadeza? Necessidade? Fetiche? Aventura? Hobby? Tudo isso e muito mais. “Jovem e Bela” é um filme belíssimo sobre a adolescência, sobre amores, sobre paixões, sobre sexo e sobre como as relações humanas são complexas. A vida é uma montanha russa sem fim, com altos e baixos, descidas e subidas, começos e fins. Montanhas de emoções exacerbadas ou estáticas. Uma vida é uma vida. E nunca será diferente.



Uma crônica que convivemos, ouvimos falar, sabemos que existe ou mesmo vivemos, mas numa sociedade hipócrita como a nossa, nunca admitimos que seja real. Quem na faculdade nunca ouviu dizer que “aquela ali é puta”, “aquela é profissa” ou algo do tipo? Prostituição é um tema de difícil abordagem onde pode cair na pornografia ou no recalque afim de não atingir o público. Ozon sabe exatamente o ponto limiar entre esses dois abismos e brinca de contar história de Isabelle. Uma bela jovem de 17 anos, estudante, advinda de uma família abastada e que após perder a virgindade de forma traumática, arrisca. Gosta. Faz cada dia mais. Discreta e tentando parecer mais velha, faz uma clientela fiel. Fideliza. Apaixona e deixa-se apaixonar. Por qual motivo ela chega a essa situação? Respostas não são fáceis, mas motivos são vários, mas não são possíveis de explicação. E quem quer responder os porquês da primeira profissão da história?



Marine Vacth tem uma beleza impressionante e está estupenda no papel da jovem. Ozon tem um olhar único no cinema atual. É capaz com histórias aparentemente densas dar um toque gentil às cenas mais pesadas e uma força a cenas cotidianas. Retrata a sociedade de forma tão clara que é impossível não se ver na tela. Seja no papel da jovem ou do senhor que busca seus serviços, de pai e mãe ou mesmo de um vizinho que vê tudo isso pela janela.

Vitor Stefano
Sessões

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Sessões Promoção - O Congresso Futurista - PROMOÇÃO ENCERRDA

PROMOÇÃO ENCERRADA!!!

O israelense Ari Folman gostou tanto das animações que retorna ao gênero em "O Congresso Futurista". Multi premiado, o filme conta a história de Robin Wright, uma atriz de Hollywood, que já teve seu auge e uma promissora carreira. Uma proposta vai mudar sua vida: scannear sua imagem a transformando uma atriz virtual, perenizando sua juventude. No futuro, o Congresso tentará convencê-la a se render de vez ao mundo da fantasia e esquecer seu passado. Uma grande viagem.

Veja o que te espera:


Incrível. Um visual maravilhoso. Para ver esse filme nas telonas é fácil. Seja um dos 3 primeiros a responder a pergunta abaixo nos comentários desse post e corra para os cinemas.

PERGUNTA: Qual é o filme-animação-documentário dirigido por Ari Folman que concorreu ao Oscar de Melhor Filme de Língua Não Inglesa de 2009? (#dica - esse filme já foi comentado no Sessões).

** RESPOSTA: Valsa com Bashir

Vencedores:
- Gustavo Magno
- Fabiano Malaquias Correa
- Milena Soares

Corra! Não esqueça de se identificar para enviarmos o par de ingressos. Essa é mais uma parceria com a Imovision.

Equipe do Sessões
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...