quinta-feira, 21 de abril de 2016

O Julgamento de Viviane Amsalem


Nome Original: Gett /המשפט של ויויאן אמסלם
Ano: 2014
Diretor: Shlomi Elkabetz e Ronit Elkabetz
País: Israel, França e Alemanha
Elenco: Ronit Elkabetz, Simon Abkarian, Menashe Noy e Sasson Gabai.
Prêmios: Directors to Watch no Festival de San Sebastián, Melhor Filme e Melhor Ator Coajudvante (Gabai) da Academia Israelense de Cinema e Melhor Roteiro no Festival Internacional de Chicago.
O Julgamento de Viviane Amsalem (2014) on IMDb


A separação é um momento doloroso e traumático para qualquer ser. Ninguém casa pensando no tribunal e na assinatura dos papéis do desquite, mesmo que seja cada vez mais comum e aceito na sociedade. Isso na sociedade ocidental. Em Israel o julgamento é feito por um tribunal religioso, comandado por rabinos. O filme não é exatamente o julgamento de Viviane, mas a busca dela pelo Gett, nome original do filme. Isso é a certidão de divórcio da lei judaica que depende do consentimento do marido para ser efetivado. Viviane não quer mais estar casada com Elisha, mas ele se recusa a aceitar. Não há traição, agressão física ou motivos escusos. Ela apenas não quer dar sequência a um casamento de 30 anos e quatro filhos, sempre bela, recatada e do lar, apesar de ser cabeleireira profissional. Ela quer a liberdade.

De qualquer forma é um novo marco nos filmes de julgamento. A princípio, ao vermos apenas os advogados fazendo argumentação, criamos a expectativa de conhecer a mulher que dá nome ao filme. Mas chegamos à uma mulher bonita, mas visivelmente cansada. E esse cansaço se torna visível a cada novo retorno aos tribunais. A negativa de Elisha, as suas ausências nas audiências, a solicitação dos rabinos a que ela volte à casa e viva sobre o mesmo teto que o marido vão gerando um sentimento ainda pior nela. Durante cinco anos vemos o patriarcalismo judeu sobrepor aos direitos e vontades de Viviane, um ser praticamente invisível. Ele com seu semblante sempre sóbrio mantém-se impávido enquanto ela se desespera ao saber que é o elo mais frágil. É a mulher. É quem deveria estar quieta e aceitar as condições do marido. Ele nunca levantou a mão para ela. Ele sempre proveu do bom e do melhor para a cada. Ele sempre foi à sinagoga e é respeitado por lá. Ele nunca a privou de nada dizem as testemunhas que também corroboram que ela não o quer. Ela tem seus motivos e simplesmente ela não quer. Ela explode, como já explodiu muitas vezes. Já basta. Viviane viveu sua vida toda como um cão preso à uma bola. Viviane nunca foi valorizada. Viviane nunca foi ouvida. Viviane precisa de sua liberdade.


"O Julgamento de Viviane Amsalem" é um grito de socorro que ecoa no âmago e na eternidade. Entre o absurdo e a lei religiosa ver que num país de primeiro mundo ainda há tanta incoerência e desrespeito gera um riso nervoso e uma angústia. Um filme que se passa integralmente entre quatro paredes, onde homens definirão o futuro de Viviane. O roteiro é brilhante que prende e penetra na mente, uma crítica ferrenha ao machismo, às convenções que o judaísmo impõe. O final em aberto é um fantasma que sempre a decisão de homens em nome de Deus será injusta. A religião tem a força de privar os seres humanos de serem quem querem. Mas como a própria personagem diz aos rabinos, num acesso de fúria: isso um dia vai acabar e vocês serão inúteis, não me julgarão e farão apenas conversões de religião. Serão descartáveis. É uma pena que Ronit Elkabetz, co diretora e estrela do filme, não verá isso em sua Israel. Faleceu dia 19/04/2016 deixando um gostinho amargo para nós. Uma grande atriz e diretora de um dos melhores filmes da década ao lado de "A Separação". Iraniano e israelense...que ironia. É um assunto traumático em qualquer lugar desse globo e gerou esses dois filmes incríveis.

Vitor Stefano
Sessões

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Sicário: Terra de Ninguém



Nome Original: Sicario
Ano: 2015
Diretor: Denis Villeneuve
País: EUA
Elenco: Emily Blunt, Benicio del Toro, Josh Brolin, Daniel Kaluuya e Jon Bernthal.
Prêmios: Melhor Edição no Satellite Awards.
Sicario: Terra de Ninguém (2015) on IMDb 

 

Cartéis mexicanos com guerra às drogas é um assunto que está no cinema há décadas. A inabilidade dos governos em querer o fim do tráfico, a corrupção nas polícias, a facilidade com que se transporta e armazena drogas no território americano, a caçada aos mulas ou mesmo o envolvimento de políticos com os “inimigos” já rechearam uma porção de bons filmes – tanto americanos como mexicanos.

Mas não, “Sicário” não é só mais um filme sobre esse assunto – apesar de ter muito do dito acima. O filme é sensível e duro. São muitas nuances dentro do modus operandi da(s) polícia(s), intercalando com o jogo de cena dos traficantes e as ligações obscuras entre eles. “Sicário” é um filme com planos abertos belíssimos, que nos deixam ver a ação de forma ampla numa luz linda, num cenário tão lindo quanto que potencializam um roteiro ótimo e cheio de ótimas atuações. Kate é frágil, mas corajosa. Ela quer a justiça, doa a quem doer. Ela está, mas não sabe onde. Ela está nas mãos de Alejandro e Matt que ela não conhece. Eles são mal encarados, obscuros, mas duríssimos. Blunt, Brolin e, principalmente, Del Toro estão brilhantes na tela, dando força e empatia aos personagens, por mais dúbios que eles sejam.  Há tensão, há ação, há negociação.




Denis Villeneuve é um dos diretores mais intrigantes que surgiram nos últimos anos. A partir de “Incêndios” ele criou uma tara dos cinéfilos por seus filmes que foram buscar sua filmografia datada de antes de 2010 e ficaram em polvorosa aguardando o que viria depois. Mas não apenas aos cinéfilos o canadense chamou atenção. A indústria viu nele um diretor ousado e diferente. “Os Suspeitos” veio e manteve o nível, com sua boa mão para suspense - agora com atores famosos e bom orçamento. A adaptação de Saramago - “O Homem Duplicado” - foi aclamado pela crítica, mas é um filme difícil, confuso, mas que tem muitas qualidades, já “Sicário: Terra de Ninguém” é um dos melhores do ano passado e continua a prova que Villeneuve é sempre ótimo cinema para ver.

E a vingança será sempre, sempre, pessoal.

Vitor Stefano
Sessões
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...