quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

2001 - Uma Odisseia no Espaço (Parte 1)

Nome Original: 2001 - Space Odyssey
Diretor: Stanley Kubrick
Ano: 1968
País: Estados Unidos
Elenco: Keir Dullea, Gary Lockwood, William Sylvester, Douglas Rain, Donald Richter e outros.
Prêmios: Oscar de Melhores Efeitos Especiais, Prêmios BAFTA de Melhor Fotografia, Trilha Sonora e Direção de Arte
2001 - Uma Odisséia no Espaço (1968) on IMDb
Ao saber que fui incumbido por meus amigos de blog de comentá-lo, pensei na dificuldade da tarefa. Me empenhei, vi o filme mais diversas vezes, li o livro, vi documentários sobre o filme, li as considerações que encontrava sobre. Percebi ao longo deste tempo que quanto mais eu assistia ao filme, ou me conectava a ele de alguma forma, mais difícil ficava a tarefa de escrever. Os meses em que o cartaz esteve aí ao lado foi um tempo de paradoxo, por que quanto mais eu conhecia e gostava de 2001, mais árduo ficava rascunhar algumas linhas sobre. E por que tudo isso? Claro que as respostas não são simples e muito menos lógicas. Mas, o que mais me convence e conforta é pensar que '2001 - Uma Odisseia no Espaço' é um filme infinito e inesgotável.



Inesgotável e infinito como metáfora. Inesgotável e infinito como moral e filosofia. Inesgotável e infinito como beleza. Inesgotável e infinito como experiência. Inesgotável e infinito como o futuro. Inesgotável e infinito como o que vem depois. Inesgotável e infinito como o universo ainda o é. Inesgotável e infinito como as questões que deixa. Inesgotável e infinito como desejo humano.

O desejo humano de ser infinito pode ter começado quando um bando de macacos pode sobressair-se sobre seus pares. A humanidade começa quando macaco vira presa difícil. A humanidade começa quando macaco mata. Macaco mata boi, mata elefante, mata leão e mata macaco. A humanidade começa quando macaco descobre que há possibilidade de moldar a natureza a sua necessidade. O macaco virou gente e apropriou-se de um planeta. De lá para cá, um abreviado intervalo e já não se consegue mais chamar este bicho de macaco. Os modos de macaco são um passado? Que foi feito deles?



De lá para cá - a estação espacial. Além da atmosfera, diante da vastidão do interminável está o homem. O que é este ser diante do infinito? O mesmo que aprendeu, descobriu, navegou, conquistou é desconforto, pausas, espaçamentos, hibernação, letargia. Uma fragilidade protegida apenas por trajes, aparelhagem, adaptações, aparatos, parafernália. Máquinas, altas tecnologias, processadores, inteligências artificiais. Evolução? Até que ponto?

A missão é Júpiter. Quase todos hibernam. O sucesso da missão está confiado a mais recente invenção da inteligência artificial – HAL 9000. Um computador capaz de processar a maioria das atividades do cérebro humano, porém com muito mais rapidez e fiabilidade. Em entrevista HAL declarou a um programa de televisão do ano de 2001:

“O que eu acho é tudo que um ser consciente pode querer.”



A automação do cérebro humano é o que faz o homem ir além. As máquinas adquirem um papel tão cabal em um universo impróprio para manter-se vivo, que são eleitas, são as que podem reagir a este ambiente sem necessidades fisiológicas e emocionais e por isto, estão no comando. HAL é confiável, infalível, incapaz de errar e fará da missão um êxito. Tripulação para quê? Evidente que alguém precisa fazer a manutenção das máquinas. Sem as ferramentas, o que sobra do homem? Onde estão Deus e os alienígenas?





Continua...


Leandro Antonio
Sessões

4 comentários:

  1. Nossa! Você escreve lindamente! Realmente é intimidante fala sobre qualquer coisa ao redor de Kubrick - que é meu diretor favorito. Sei que 2001 se trata de dados futurísticos, mas acho uma obra tão atemporal. Se adequa a qualquer época.
    =1

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alice ligadona

      Obrigado pelo elogio e por passear por aqui. Como comentei, é uma grande dificuldade escrever sobre o que nos toca de tantas maneiras. No segundo comentário pretendo postar sobre o que julgo mais intimidante no filme, que é "Júpiter e além do infinito" e continuar arriscando a pergunta: Onde está Deus em 2001?

      Visitei o blog ligadona e fiz uma menção nos comentários ao filme "Meu Malvado Favorito"

      Leandro Antonio
      Sessões

      Excluir
  2. E eu ainda não consegui parar para ver... Alias, parei mas não consegui. Há muito da humanidade dentro dessa mídia chamada dvd que abriga esse tal de 2001.

    Eu verei...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é um filme fácil. Eu comecei a captar um pouco da magnitude da segunda ou terceira vez que vi e considero que ainda saiba pouco, tamanha as possibilidades que 2001 apresenta, mas desde a primeira houve um grande encanto, um deslumbramento que foi além da pretensão de entender ou da imposição de ritmo lenta que o filme carrega propositalmente.

      Vitor, se você ainda não viu 2001, priorize. Não perca tempo com outros passatempos por estes dias.

      Leandro Antonio
      Sessões

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...