domingo, 7 de fevereiro de 2010

Não Se Preocupe, Estou Bem!

Nome Original: Je vais bien, ne t'en fais pas
Diretor: Philippe Lioret
Ano: 2006
País: França
Elenco: Mélanie Laurent, Kad Merad, Julien Boisselier e Isabelle Renauld
Prêmios: César para Melhor Ator Coadjuvante (Kad Merad) e Atriz Mais Promissora (Mélanie Laurent).
Je vais bien, ne t'en fais pas (2006) on IMDb

Talvez o maior mal do ser humano é o medo do sofrimento. Ou de causá-lo.


"Lili
Dê outro rumo ao seu mundo imaginário
Por favor, deixe as drogas pra lá
Você vai ver que pode respirar sem recaídas
Você tem muito que aprender
Em qualquer rua, a qualquer momento
Em algum lugar que nunca esteve
Serei seu guia
Lili, você sabe que há um lugar
Para pessoas como nós
O mesmo sangue corre em nosssas veias
Saiba que não são as asas que fazem um anjo
Tire essa loucura da sua cabeça
Em qualquer rua, a qualquer momento
Em algum lugar que nunca esteve
Serei seu guia"
(AaRON - U-Turn(Lili))

O filme é simples, seco e duro, que tem em seu fim um corte que parece uma faca entrando pelas costas. Letal porém sem dor. Lili retorna de Barcelona, após um mês, e depara-se com o desaparecimento de seu irmão gêmeo. Ao menos, é o que ela sabe. Após uma briga com o pai, ele decidiu abandonar a casa. Os pais parecem calmos e conformados, pois ao que parece, ele sempre foi o filho rebelde. Lili, que é muito apegada ao irmão, sofre com a ausência. Seu melhor amigo, seu confidente, seu porto seguro havia abandonado, sem deixar pistas. Esperando o pior, Lili parece que foi atingida por uma bomba que lhe tirou os braços, as pernas, a vida. Não há mais nenhum ânimo para seguir em frente. Lili pára de se alimentar e é internada em uma clínica de reabilitação mental.

Só após o recebimento de um cartão postal de seu irmão, acontece a ressureição. Alimentada pela certeza que seu irmão está bem, ela consegue seguir sua vida. Mas sua vida nunca mais seria a mesma, não sem ter seu Loïc por perto. A cada nova carta uma nova cidade, as mesmas críticas ao pai, o beijo à mãe e o amor à irmã. Problemas familiares estão cada vez mais comuns no cinema, especialmente no francês. Cada vez mais vê-se problemas entre relacionamentos entre pais e filhos e abismo entre as gerações. Tudo parece estar bem, ao menos é o que parece.

Será que esconder a verdade é o melhor modo de não magoar quem ama? Será que temos o direito de abster a verdade do outro, subentendendo o que será melhor ao outro? Não acredito. O ser humano é capaz de superar o sofrimento e as perdas, por mais doloroso que seja. Lili, você superaria, mas não se preocupe, Loïc está bem, esteja aonde estiver.



A vida é um mar de rosas, onde os espinhos estão fincados na areia, que os pés alcançam.

Vitor Stefano
Sessões

6 comentários:

  1. Não vi o filme. Mas, o mote dos últimos filmes franceses que tenho visto indicam que a sociedade e o ser que simulavam bem-estar, não conseguem mais sustentar esta ilusão. Como se a infelicidade e a frustração que até certo tempo comportavam apenas a esfera privada transbordassem estas margens e tomassem a rua. O mimetismo social no caminho da extinção.

    Lucubrações a parte (risos), estou fã da Mélanie Laurent e por isso veria o filme.

    Leandro Antonio
    Sessões

    ResponderExcluir
  2. Vi o filme nesse sábado e adorei!! Adotei o costume de assistir a filmes sem saber nada sobre eles, porque sou uma vítima fatal das expectativas. E com o Não se preocupe, foi a mesma coisa. Até me surpreendi ao ver a Mélanie no elenco... Então não sei se todos os que viram ficaram tão surpresos com o final quanto eu. Adorei a resenha acima. Achei o filme excelente e a maneira como a Mélanie me deixou tensa com o desespero dela... Bom mesmo!!

    ResponderExcluir
  3. Lindo texto Vítor.
    A única coisa que me incomoda, é que não dá para comentar este filme sem spoilers. Não que a solução seja uma surpresa, pois as pistas são muitas.
    Como comentei, o diferencial do cinema francês é que os clichês são diferentes dos que nos acostumamos nos filmes americanos, que seguem uma cartilha.
    O filme é ótimo, emocionante, bem interpretado e, o melhor, é simples. Dá prazer ver filmes assim.
    Parabéns pelo post!
    Abs!!!

    ResponderExcluir
  4. Alguma coisa me diz que isso é grandiloquente.

    ResponderExcluir
  5. O comentário sobre o filme não me agradou, não contaria tanto o filme, perco vontade de ver quando fazem isso, desculpe.
    Mas falando do filme, mudei completamente meu gosto sobre filmes, hoje vejo tudo de uma forma diferente. Acho que o filme tem tudo no ponto, o drama-suspense, o amor, a amiade e a familia.
    Aconselho a todos que vejam, garanto que este é um filme que não sabera a historia toda, so por ver o começo.
    OTIMO!

    ResponderExcluir
  6. Amo essa musica, amo esse filme queria baixar a um tempao essa musica, muito obrigada :) estou seguindo aqui.

    http://material-extra.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...