terça-feira, 23 de abril de 2013

Therese D.

Nome Original: Thérèse Desqueyroux
Diretor Claude Miller
Ano: 2012
País: França
Elenco: Audrey Tatou, Giles Lellouche, Anaïs Demoustier, Stanley Weber e Catherine Arditi.
Sem Prêmios.
Therese D (2012) on IMDb


Passamos pela infância com sonhos e projetos. Uma casa, um casamento, um carro, liberdade. Quando atingimos a maturidade, a vida perde cor, as vontades são contidas, a vida é condicionada. Ao marido, ao filho, ao dinheiro. Os sonhos ficaram apenas para o período compreendido entre a meia noite e seis da manhã. A vida não pode mais ser vivida por um ideal, uma ideologia, um foco. Tudo mudou. O seu olhar mudou (ou vai mudar). Suas forças concentram-se num processo sanguessuga e quase irreversível. Sua pele muda, seu corpo definha, as ideias são podadas. Fazer o que tem vontade? Utopia. O fundo do poço parece apenas um alvo de pedrinhas quando crianças. Quando crescemos sabemos que estamos mais perto do que imaginamos. Seria vergonha de ser feliz? Não, essa busca é absolutamente justa, mas injusto é pensar que chegará lá. Tudo é possível, exceto sorrir. Mas nos erros acertamos. Nas infelicidades crescemos. Na adversidade agimos. No desespero pensamos. Somos condicionados a buscar sempre o inexistente. Thérèse Desqueyroux sofreu e morreu muitas vezes, mas o que realmente pode ficar é o seu leve e quase imperceptível sorriso. Uma beleza triste de se ver. Mais real que a irrealidade da vida.


Vitor Stefano
Sessões
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...