terça-feira, 6 de julho de 2010

Amarelo Manga


Nome Original: Amarelo Manga
Diretor: Claudio Assis
Ano: 2002
País: Brasil
Elenco: Matheus Nachtergaele, Jonas Bloch, Dira Paes, Chico Diaz e Leona Cavalli.
Prêmios: Ganhou o Grande Prêmio Cinema Brasil de Melhor Fotografia.
Ganhou o Prêmio C.I.C.A.E. no Fórum do Novo Cinema, no Festival de Berlim.
Ganhou os Candangos de Melhor Filme, Melhor Ator (Chico Diaz), Melhor Fotografia e Melhor Edição, no Festival de Brasília. Ganhou também os Prêmios de Melhor Filme - Público, Melhor Filme - Crítica e o Prêmio Especial do Júri, para a atriz Dira Paes. Ganhou o prêmio de Melhor Fotografia, no Festival de Cinema Brasileiro de Miami.
Amarelo Manga (2002) on IMDb

Um hotel-espelunca-fedido, um boteco pé sujo numa quebrada qualquer de Recife. Personagens marginalizados e absolutamente perturbados são o pano de fundo de Amarelo Manga (2003), filme dirigido por Claudio Assis, o mesmo de Baixio das Bestas (2007).

Este é um filme que repugna e choca. Se você odiá-lo, então ele será bom, porque é exatamente esta a sua função – provocar. Importante recomendar ao espectador que se prepare para ver um mundo cão, sentir o cheiro ruim, o nojo, o ódio, a pobreza, a doença, a loucura, a morte.

Lígia (Leona Cavali) é a dona do boteco que reclama do seu cotidiano insuportável. É atraente e quer um amor de verdade mas está rodeada por bebuns e velhos safados. Kanibal (Chico Diaz) é um açougueiro ignorante e trai sua esposa, a crente Kika (Dira Paes). Isaac (Jonas Block) é um vagabundo violento que sente prazer em atirar em cadávers. Dunga (Matheus Nachtergaele) é uma bichinha louca, trabalha no decadente Hotel Texas como cozinheiro e quer conquistar a todo custo o coração de Kanibal.

Todos esses personagens apresentam caráter mais que duvidoso e não se relacionam, esbarram suas almas tristes umas nas outras. O ambiente está transbordando de violência, sexo, loucura e solidão. O amarelo a que o título se refere é a cor da vagina descolorida de Lígia, que está estampada no cartaz e da capa do DVD (repare bem). Logo acima aparece a frase “O ser humano é estomago e sexo”.

Em citação ao poeta pernambucano Renato Carneiro Campos numa passagem do filme, o amarelo também é: “A cor das mesas, dos bancos, dos cabos, dos carros de boi, da charque, das doenças, das remelas dos olhos dos meninos, é a cor das feridas porolentas, dos escarros, verminoses, hepatites, diarréias, dos dentes apodrecidos, do velho desbotado, doente”

Claudio Assis se mostra um cineasta autêntico e polêmico. Não se importa nem um pouco com sua sinceridade constrangedora. Provoca por ser verdadeiro e contundente. Escancara um Brasil marginal e despido de moral.
Que se danem os padrões, os pudores e as ideologias. É preciso estômago para seguir em frente.


Carlos Nascimento
Sessões

4 comentários:

  1. Nossa, Carlos! Seu texto me deixou uma sensação parecida com a do filme! Foda que eu acabei de tomar café da manhã. Que vontade de vomitar. Muito bom!!

    Leandro Antonio
    Sessões

    ResponderExcluir
  2. Fiquei bastante interessada no filme, só não sei se aguentarei vê-lo até o final... hahaha

    ResponderExcluir
  3. Esse filme é muito bom! Nunca esqueço do dia em que fui assistir. Choque atrás de choque, como se estivesse levando uma surra, hehehehe
    Posso falar o que pode ser uma 'bobagem'? Nesse filme o Cláudio Assis é quase um Lars von Trier brasileiro...
    Parabéns pelo texto, faço minhas as palavras do Leandro.

    @_DanielSilva

    ResponderExcluir
  4. Essa "vagina" vale o filme. Não por onanismo, mas por clima 'noir'.


    Mateus Moisés
    Sessões

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...