terça-feira, 2 de setembro de 2014

Eisenstein no Museu da Imagem e do Som

O Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS-SP) abre programação sobre o cineasta Serguei Eisenstein a partir de setembro.


LANÇAMENTO DO LIVRO
• Notas para uma história geral do cinema (Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2014), de
Sergei Eisenstein, com organização e notas de François Albera e Antonio Somaini.
Quando 6 de setembro
Horário 14h
Local Foyer do auditório
Entrada livre

CURSO
• A estética de Eisenstein e suas conexões com as vanguardas históricas
Ministrado por François Albera, professor de Estética do Cinema na Universidade de Lausanne.
Albera é membro da Association Française de Recherche sur l’Histoire du Cinéma e autor de
diversos estudos sobre Eisenstein e o cinema de vanguarda. No Brasil, publicou Eisenstein e o
construtivismo russo (CosacNaify, 2009) e Modernidade e vanguarda do cinema (Azougue,
2012).
Quando 2, 3, 4 e 5 de setembro
Horário 15h
Duração 2 horas cada aula
Valor R$ 60,00
Inscrições pelo site do MIS: www.mis-sp.org.br
170 vagas

OFICINAS
• Oficina de teatro
Oficina prática dividida em três encontros que propõe uma incursão pela teoria da montagem
de atrações de Eisenstein, seu passado e seu presente. A oficina será ministrada por Luciana
Gianinni Canton, professora de direção de atores no Audiovisual pela ECA-USP. Atriz e
pesquisadora, Canton é co-autora (com Ismail Xavier) do artigo O teatro do mundo, de
Calderón de la Barca, a máquina-olho de Victor Garcia, e a câmera lúcida de Andrea Tonacci,
publicado na revista Devires, vol.9, n.2.
Quando 5, 6 e 7 de setembro
Horário 17h (sexta), 15h30 (sábado) e 14h (domingo)
Duração 90 minutos cada aula
Valor R$ 30,00
Inscrições pelo site do MIS: www.mis-sp.org.br
40 vagas

• Oficina de Linguagem escrita e visual
Oficina prática que trata do conceito de “pensamento sensorial” formulado por Eisenstein, que
faz da escrita imagética seu centro. Os participantes poderão experimentar um paralelo entre a
linguagem cinematográfica e o modo como se manifestam os pensamentos, atribuindo
sentidos a eles. Apresentada por Janaína Behling, licenciada em Letras pela Unesp de Assis e
mestre em Linguística Aplicada pela Unicamp. Atualmente, empreende na Viva Letramentos,
uma agência de pesquisa, ensino e consultoria sobre Linguagem e Desenvolvimento.
Quando 6 de setembro
Horário 10h
Duração 3 horas
Valor R$ 10,00
Inscrições pelo site do MIS: www.mis-sp.org.br
30 vagas

DEBATES
Os debates acontecem no Auditório MIS e tem 170 vagas cada. A entrada é gratuita, com
retirada de senha uma antes de cada debate.

• A estética e a política na construção de uma arte revolucionária
01.09 às 20h – com Mikhail Iampolski, Dora Mourão e Adilson Mendes
Mikhail Iampolski, professor de literatura comparada da Universidade de Nova York.
Russo radicado nos Estados Unidos, com trabalhos em literatura russa e soviética,
Iampolski desenvolve trabalhos sobre a intertextualidade do cinema e das artes. Autor
de The memory of Tiresias (University of California Press, 1998).
Maria Dora Mourão, professora de teoria e prática da montagem da ECA-USP. Autora
de diversos estudos teóricos sobre a montagem cinematográfica, assim como
trabalhos práticos, como, por exemplo, a montagem de São Paulo Cinemacidade, de
Aloysio Raulino e São Paulo, sinfonia e cacofonia, de Jean-Claude Bernardet. Organizou
livros coletivos, destaque para Cinema do Real (Cosac Naify, 2005).
Adilson Mendes, professor da Faculdade Belas Artes. Criador das primeiras edições da
Revista da Cinemateca Brasileira (2012/2013), editou livros de história do cinema e foi
curador de festivais retrospectivos cinematográficos, com experimentos cênicos. É
autor de Trajetória de Paulo Emilio (Ateliê, 2013).

• A montagem e o ideograma
02.09 às 19h05 – com Cecilia Mello
Cecilia Mello é professora de cinema na Escola de Comunicações e Artes da USP e
Pesquisadora FAPESP na Unifesp Campus Guarulhos, com o projeto “Intermidialidade,
Estética e Política no Cinema Chinês de Jia Zhang-ke”.
Para Eisenstein, o princípio da montagem é o elemento básico da cultura
representacional japonesa, já que escrever em japonês é primordialmente uma
atividade de montagem dialética. Ele observava que na união de dois caracteres
interessa não a soma mas o produto, um valor de outra dimensão, de outro grau.

• Realismo e naturalismo em Eisenstein: literatura, teatro e cinema
03.09 às 19h – com Marcos Soares e Felipe de Moraes
Marcos Soares, professor de literatura da Universidade de São Paulo. Autor de As
figurações do falso em Joseph Conrad (Edusp: 2014).
Felipe de Moraes, doutorando na ECA-USP. Dramaturgo e pesquisador, com ensaios
sobre o cinema brasileiro, trata da formação teatral de Eisenstein e seus primeiros
experimentos com o cinema em O diário de Glumov, extrato da encenação da peça O
sábio, de Ostrovski.

• Questões de transparência e de montagem. Eisenstein na ossatura de um
programa de filmes
04.09 às 19h com Lúcia Monteiro
Lúcia Monteiro é doutora em estudos cinematográficos pela Universidade Sorbonne
Nouvelle Paris 3 e pela Universidade de São Paulo. Curadora, professora e
pesquisadora, Lúcia é autora de artigos sobre o cinema contemporâneo e integrante
do coletivo LE SILO (www.lesilo.org), dedicado à circulação das imagens em
movimento.

• A imagem como ciência
05.09 às 20h – com Bernd Stiegler
Uma recapitulação do contexto intelectual do cineasta e suas concepções de uma
estética para a luta de classes. Bernd Stiegler é professor de literatura alemã da
Universidade de Constanza. Com trabalhos a partir da teoria crítica, especialmente
Benjamin e Kracauer, Stiegler desenvolve reflexão crítica sobre a história da fotografia
(Bilder der photographie, Suhrkamp, 2007) e publicou no Brasil o ensaio O álbum de
fotografia de Walter Benjamin, na Revista da Cinemateca (n.2).

• O cinema como mediador entre música de vanguarda e política radical
(Hanns Eisler, Sergei Prokofiev e a música na União Soviética)
06.09 às 18h – com Manoel Dourado Bastos e Willy Correia de Oliveira
Manoel Dourado Bastos, professor de Comunicação e Cultura na Universidade Estadual
de Londrina.
Willy Correia de Oliveira, músico autor de Caderno de canções. Músico de vanguarda,
dono de obra diversa, Willy Correia é introdutor de Hanns Eisler no Brasil e autor do
hino do Movimento Sem Terra. Professor aposentado da ECA-USP, ministrou também
cursos para operários em São Bernardo do Campo ao longo da década de 1970. Em
2012, lançou o livro de memórias Passagens.

• Eisenstein / Rocha / Hirszman: conexões e influências
07.09 às 17h – com Mateus Araújo e Reinaldo Cardenuto
O lugar de Eisenstein nos escritos de Glauber Rocha e Leon Hirszman e a integração do
seu legado nos filmes dos brasileiros.
Mateus Araújo, professor de teoria do cinema na ECA-USP. Filósofo e pesquisador de
cinema, Araújo publicou diversos artigos sobre o cinema moderno mundial e organizou
curadorias, na França e no Brasil, em torno de Glauber Rocha, Jean Rouch.
Reinaldo Cardenuto Filho, professor de história do cinema da FAAP. Doutorando na
ECA-USP, é autor de Dramaturgia de avaliação: o teatro político dos anos 1970.
(Estudos Avançados, v.26, 2012.)

CINEMA
A entrada é gratuita, com retirada de senha uma antes de cada sessão.

O encouraçado Potemkin/Bronenosets Potyomkin (1925, 75min, 35mm, livre)
01.09 às 15h, 03.09 às 19h
Sinopse: Em 1905, na Rússia czarista, marinheiros do navio Potemkin estão
insatisfeitos com as condições de trabalho. Quando um grupo é condenado à morte
após se recusar a comer carne podre, começa uma revolta contra o governo. Filme
mudo baseado em fatos reais, “O Encouraçado Potemkin” é a obra mais célebre do
russo Sergei Eisenstein (1898-1948) e tem uma das mais famosas cenas da história do
cinema, a do massacre da população da cidade de Odessa numa escadaria.

A greve/Stachka (1924, 95min, DVD, livre)
01.09 às 17h
Sinopse: Um operário se mata após ser injustamente acusado de roubo e esse é o
estopim para o início de uma greve numa fábrica russa. No começo é tudo
empolgação, mas logo o lento processo de negociação ataca os ânimos dos grevistas.
Reivindicações são negadas, a espionagem avança e os militares são chamados para
resolver o problema.

Outubro/Oktyabr (1927, 95min, DVD, 16 anos)
02.09 Às 17h, 03.09 às 21h
Em tom de documentário, acontecimentos em Petrogrado são encenados desde o fim
da monarquia, em fevereiro de 1917, até o fim do governo provisório em novembro do
mesmo ano. Lênin volta em abril. Em julho, os contra-revolucionários mandam prendêlo.
Em outubro, os Bolsheviks estão prontos para atacar: os dez dias que abalaram o
mundo.

Alexandre Nevski/Aleksandr Nevski (1938, 112min, DVD, livre)
02.09 às 21h
Baseado em eventos históricos conhecidos do povo russo, o conta a trajetória do líder
russo Alexander Nevsky à frente do exército dos principados de Novgorod, Pereslavl,
Pskov na guerra contra os cavaleiros teutônicos. O ano é 1242, momento no qual boa
parte das terras, que mais tarde farão parte do império russo, estão ocupadas por
estrangeiros.

Ivan, o terrível - parte I/ Ivan Groznyy I (1943-47, 103min, 35mm, 14 anos)
04.09 às 17h
Século XVI. Ivan IV (Nikolai Tcherkassov), arquiduque de Moscou, assume o poder da
Rússia declarando-se czar. Casa-se com Anastasia (Lyudmila Tselikovskaya) e logo
planeja ataques para retomar os territórios perdidos e derrotar os tártaros. Sem
esquecer também dos inimigos internos, que não desistem de derrubá-lo, Ivan
manipula todos ao seu redor.

Ivan, o terrível - parte II/ Ivan Groznyy II (1943-47, 88min, 35mm, 14 anos)
04.09 às 21h
Após sua esposa morrer envenenada, Ivan (Nikolai Tcherkassov) encontra-se sozinho
na luta pela unificação da Rússia. Enquanto tenta expulsar os invasores, o czar precisa
ainda escapar das constantes tentativas de assassinato tramadas pelos inimigos, entre
os quais está Efrosinia (Serafima Birman), tia de Ivan, que sonha com o poder nas mãos
do filho Vladimir (Pavel Kadochnikov).

Que viva México!/ ¡Que viva Mexico! (1932, 90min, DVD, 14 anos)
06.09, às 20h
Que viva México! foi um projeto cinematográfico não terminado de Eisenstein, sobre a
cultura do México da época pré-hispânica até à revolução mexicana. A produção foi
marcada por dificuldades e finalmente abandonada. Só depois de 40 anos engavetado
no Museu de Arte Contemporânea de Nova York foi finalizado por Grigori Aleksandrov,
braço direito de Eisenstein, construindo aquela que seria a versão mais próxima da
idealizada por seu criador.

O velho e o novo/ Staroye i Novoye (1929, 121min, p&b, DVD, mudo, 14 anos)
07.09 às 19h
Com o aparecimento da camponesa Marta, destacando-se na liderança sobre a massa,
o filme gira em torno do processo de coletivização de uma aldeia de camponeses.

S e r v i ç o
Eisenstein / Brasil / 2014
DATA 01 a 07.09
HORÁRIO consultar programação
LOCAL Auditório MIS (172 lugares) e foyer do Auditório MIS
INGRESSO e CLASSIFICAÇÃO consulte a programação
Museu da Imagem e do Som – MIS
Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo | (11) 2117 4777 | www.mis-sp.org.br
Estacionamento conveniado: R$ 10,00
Informações para a imprensa – MIS:
Clarissa Janini | clarissa.janini@mis-sp.org.br | (11) 2117 4777, r 312
Marina de Castro Alves | marina.castroalves@mis-sp.org.br | (11) 2117 4777, r 363
Renata Forato | renata.forato@mis-sp.org.br | (11) 2117 4777, r 310
Informações para a imprensa – Secretaria de Estado da Cultura:
Jamille Menezes / jmferreira@sp.gov.br / (11) 3339-8243
Natália Inzinna / ninzinna@sp.gov.br / (11) 3339-8162


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...