quarta-feira, 24 de setembro de 2014

A Pedra de Paciência





Nome Original: Syngué Sabour
Ano: 2012
Diretor: Atiq Rahimi
Países: Afeganistão, Alemanha e França
Elenco: Golshifteh Farahani e Hamidreza Javdan
Prêmios: Melhor Atriz no Festival Internacional de Gijón, SIGNIS Award no Festival Internacional de Hong Kong e FACE Award no Festival Internacional de Istambul.
A Pedra de Paciência (2012) on IMDb




Não pode. Não vai. Não deve. Não. Ninguém disse, apenas é uma verdade incontestável. À mulher apenas os deveres. Não, ela não pode falar. Não, ela não pode fazer. Não, ela não vai. Não, ela não vai andar sem burca. Não, ela não vai ter prazer. Não é permitido.  E não poderia ser diferente, pois é uma mulher muçulmana, casada com um muçulmano, herói de guerra, tradicional, num Afeganistão devastado por uma guerra sem motivo, sem causa, sem bonzinhos ou vilões. Mas ela fala. Ela faz. Ela fez.

Não há nomes, não há localização. Pode ser em qualquer lugar. Uma mulher abnegada cuida do marido, ferido com um tiro na altura do pescoço, num estado semivegetativo. Ela cuida do esposo dia pós dia, com soro, limpando e zelando seu corpo com rezas. Duas filhas para criar, sem dinheiro, sem expectativas. A proximidade da guerra e dos guerrilheiros afugentou quase todos. O medo é grande, mas o que pode fazer? Deixar o corpo do marido vivo, sem honra, não é uma escolha. Aos poucos, nas lamentações, nas orações, algumas palavras de ódio, inesperadas saem como num monólogo para um ouvinte. Não sabemos se ele ouve, mas ela fala. A cada dia está mais a vontade, conta mais, conta o que queria contar, conta o que queria fazer. Conta o que fez. Faz, mesmo que seus olhos estejam abertos. Ela faz. Ela desconta os 10 anos em que sua voz nunca foi ouvida. Seus segredos deixarão de ser segredos. Onde ela apenas fez o que queriam. Onde ela era apenas uma mulher.


A lenda persa diz que a um pedaço de rocha pode-se contar todos seus segredos e um dia ela explodirá e deixará o confidente livre, levando todos os lamentos pelos ares. A mulher consegue com que seu marido seja sua pedra de paciência, sua esponja de lamúrias. O filme aborda de forma bem suave assuntos muito delicados, ainda mais na cultura muçulmana, como o adultério, prostituição, casamento e a própria religião. Como a maior parte dos filmes orientais, é necessário paciência. Um filme de belos enquadramentos, momentos intrigantes, mas peca na dinâmica. A atriz Golshifteh Farahani dá um banho atuando quase que isolada. Um belo filme de um mundo que parece muito distante do nosso. Será?

Vitor Stefano
Sessões

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...