terça-feira, 19 de março de 2013

A Busca





Nome Original: A Busca
Diretor: Luciano Moura
Ano: 2013
País: Brasil.
Elenco: Wagner Moura, Mariana Lima, Brás Antunes e Lima Duarte.
Prêmios: Melhor Filme de Ficção pelo voto popular no Festival de Cinema do Rio.
A Busca (2012) on IMDb


Estou atrás de alguém. Desde que você saiu pela porta minha vida não foi mais a mesma. Vou e só voltarei com você comigo. Sua mãe está desesperada porque não tem notícias suas, não sabe aonde você se meteu. Acredito que a sua rebeldia adolescente é comum, te entendo. Acho que sou o motivo maior pelo qual você fugiu. As brigas com sua mãe tornaram-se mais comuns desde que nos separamos. Mas eu brigo com ela porque eu a amo, filho. Desculpe mesmo. Estou descontrolado sem vocês ao meu lado e ainda pior agora, que você sumiu. Para onde fostes? Ó, para onde? Vou achá-lo, abraçá-lo, voltar para casa, voltarmos a ser uma família. Vou até o fim do mundo, mas vou encontrá-lo. Mas aonde você está? Acho que a pergunta que preciso fazer é: Quem sou eu?

O filme “A Busca”, longa de estreia de Luciano Moura parte da briga entre os pais Theo e Branca, em fase de separação, faz com que Pedro, filho de 15 anos, suma no final de semana sem saber para onde foi. A busca do nome do filme está claramente ligada à saída do pai em busca do filho. Mas para onde poderia ter ido? Quando descobrir onde Pedro está, a sua busca será mais dolorida. Durante a peregrinação atrás de Pedro, Theo incorpora uma espécie de Forrest Gump ou como o próprio Wagner Moura disse: o filme é estilo “Procurando Nemo” mas com pessoas mais maduras. Uma série de elementos inacreditáveis acontece até que ele descubra o destino do rebento. Um pouco fantasioso, mas se ele não tivesse vivido e seu filho de 15 anos lhe tivesse contado, ele iria desacreditar. Uma provação. Na dúvida, desista.


“A Busca” é competentíssimo no seu objetivo. Entreter, aprofundar, imaginar. Claro que a presença de Wagner Moura é quem dá status ao filme, mas a presença de Mariana Lima e do estreante Brás Antunes dão a profundidade ideal e necessária à trama. Nem dá pra falar de Lima Duarte. O grande mérito do filme é o ritmo. Os momentos de reflexão e da ação são bem intercalados e intrigantes. Essa evolução nos faz entrar na história, que mesmo por vezes fantasiosa, é deliciosa. Vale a pena cada minuto. Não é o filme do ano, mas é um dos filmes a serem vistos no ano. Bela esteia de Luciano Moura. Que venham mais. Isso é cinema nacional. 

Vitor Stefano
Sessões Brasil

Um comentário:

  1. Belo texto, Vítor!
    Ainda não consegui assistir, mas não passa desta semana...
    Quando vir, comentarei aqui.
    É sempre um prazer esperar ansiosamente por um filme nacional.
    Abs!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...