segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Quando eu Era Vivo



Nome Original: Quando eu Era Vivo
Ano: 2014
Diretor: Marco Dutra
País: Brasil
Elenco: Antonio Fagundes, Marat Descartes e Sandy Leah.
Sem Prêmios.
Quando Eu Era Vivo (2014) on IMDb



Um organismo vivo, indestrutível. Vivo-morto. Ressurgindo das cinzas e emergindo das profundezas. Não, não é Zé do Caixão. 




Através de uma fita de VHS vamos conhecendo os personagens. As imagens em qualidade distorcida mostram crianças alegres e felizes, barulhos estranhos, uma mulher sinistra, um livro com a imagem de um demônio aparece, velas queimando. Mas quem nunca vemos nas imagens é o pai, o qual acompanharemos hoje, cuidando da saúde com suplementos e exercícios indicados ao médico. Um homem em sua senioridade, com namorada, viúvo, mas que seguiu em frente. A partir da recepção e acolhimento em sua casa a Junior, jovem separado, pai ausente, perturbado, aquela casa nunca mais será a mesma. Já, o outro filho, está internado. Ou melhor, voltará a ser o que sempre foi. A casa pulsa. A casa tem vida.



Durante essa metamorfose, surge Bruna. Uma moça bela, estudante de música que aluga um quarto da casa. Ela é um ponto fundamental da história, como uma liga entre pai e filho, uma figura feminina na casa, uma inspiração. Junior vê na moça indefesa a sensualidade que gera estímulo para (re)escrever sua história. A partir de “escavações” num quartinho dos fundos do apartamento, o filho revê seu passado através de objetos renegados e escondidos pelo pai. Um misto de delírio, depressão e ocultismo geram medo no pai e, apesar da introspecção, cresce um sentimento obscuro no filho. Tudo fica muito pesado. A mãe ainda vive. 

Marco Dutra é desbravador e corajoso. Fazer filmes de gênero no Brasil é fora da caixinha, a não ser pelas comédias globais, o que há de pior no nosso cinema. Mas filmes de suspense-terror como “Quando eu Era Vivo” não existe. Apenas Zé do Caixão faz filmes de terror, mas são filmes B, não para o mainstream. Ousado por tocar em assuntos delicados como religião e ocultismo. Ainda mais ousado por trazer Sandy Leah (sim, a cantora) para as telas e surpreende com uma atuação que também a faz sair da casinha. Fagundes é monstro e não há o que falar. Marat é fantástico. Sempre me chama atenção seu nome, desde que fiquei boquiaberto com “Os Inquilinos” do Sergio Bianchi. Inspirado livremente em Lourenço Mutarelli, há a clara alma do escritor na tela. Afinal, quem deve sair da casinha somos nós, nos despir de preconceitos e ver filmes brasileiros. Apesar da clara inspiração aos suspenses hollywoodianos, ou mais especificamente shyamalanianos, como “O Sexto Sentido” ele não deixa devendo nada a eles. “Quando eu Era Vivo” é um dos melhores filmes do ano.

Vitor Stefano
Sessões

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...