segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Reflexões de um Liquidificador



Nome Original: Reflexões de um Liquidificador
Diretor: André Klotzel
Ano: 2010
País: Brasil
Elenco: Ana Lucia Torre, Germano Haiut, Fabiula Nascimento, Marcos Cesana, Gorete Milagres e Selton Mello.
Sem Prêmio.

Reflexões de um Liquidificador (2010) on IMDb


O cinema brasileiro se supera a cada ano. Os roteiristas estão numa fase criativa ao máximo, sem se importar com as convenções banais do cinema comercial. Há uma vivacidade, um frescor que dá ânimo a se arriscar a ver tudo o que é produzido por nossas terras. Claro que há aquelas produções clichês, comédias globais e pseudodocumentários ininteligíveis, mas dentro do todo, há muita inteligência e capacidade. O cinema brasileiro merece ser mais visto, mais aprofundado. “Reflexões de um Liquidificador” é um desses filmes que se você ler a sinopse dirá: “Pelo amor de Deus, quem é que pensou numa merda dessas”. Sim, tem tudo para ser um filme tosco, não é e está longe de ser.

Elvira é daquelas típicas senhorinhas donas de casa. Aquela vizinha que é comum em bairros residenciais da cidade de São Paulo. Ela pode até ser sua avó. Adora cozinhar, vive de conversa com as vizinhas, com o carteiro, sabe tudo de todo mundo, mas nem lhe diga que é fofoqueira. Uma vida dedicada ao marido, à casa, ao trabalho e ao comercio que eles tocavam: uma modesta casa de sucos. Quando eles decidem fechar o negócio apenas o liquidificador sobra para a casa. A situação aperta e o marido, Sr. Onofre, vira vigia noturno e Elvira, que tinha um hobby aprendido com o pai na adolescência, volta a fazê-lo para tirar um dinheirinho e para passar as tardes: a taxidermia. Empalhar animais não é das maiores diversões.

Temos um corte no tempo e percebemos que o Sr. Onofre some e apenas vemos a pobre viúva solitária. Solitária uma ova. O liquidificador da antiga frutaria torna-se uma grande companhia. Bom de papo, o eletrodoméstico é o melhor amigo que um homem pode ter. Após o sumiço repentino do marido, tudo o que sabemos é que seus amigos e vizinhos a tem com muito carinho, sempre perguntando se ele voltou. Não voltará. O liquidificador que o diga.


Uma idéia simples, porém louca. André Klotzel usa e abusa de um humor que estamos pouco acostumados a ver na tela. Tem um “quê” de “É Proibido Fumar”, mas alcança um resultado ainda melhor do que o filme de Anna Muylaert. Maria Lucia Torre é um “monstro” na tela e é muito pouco usada no nosso cinema. Merece as glorias pelo filme e mais papéis de impacto na telona. Todo elenco de apoio está em sintonia fina e faz com que nos aproximemos cada minuto mais das personagens e da trama. Selton Mello nem aparece e dá show como habitual. “Reflexões de um Liquidificador” vem para mostrar que o cinema nacional não precisa de rótulos. 

Vitor Stefano
Sessões

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...