segunda-feira, 4 de maio de 2015

De Menor



Nome Original: De Menor
Ano: 2013
Diretora: Caru Alves de Souza
País: Brasil
Elenco: Rita Batata, Giovanni Gallo, Caco Ciocler e Rui Ricardo Diaz.
Prêmios: Festival do Rio, Melhor Atriz no Festival de Cuiabá e APCA de Melhor Fotografia.
De Menor (2013) on IMDb



Moleque safado. Pretinho filho da puta. Melhor prender tudo, aliás, melhor por no paredão e matar. Não tem saída. Esse país não tem futuro, não tem salvação. Esses ladrõezinhos no futuro serão chefes de facções, ladrões de bancos, arruaceiros, aqueles que nos fazem ficar encarceirados dentro de casa. Eu vou fazer um muro maior, colocar cerca elétrica, contratar um PM de folga pra cuidar da rua, colocar uns pitbulls sanguinários no jardim para que assim que der uma chance, esse neguinho morra logo. Um peso no mundo. Uma bolsa família a menos. Um inútil a menos. Pra falar a verdade, eu vou pegar aquela espingarda e 45 que estava no forro do armário na minha gaveta. A insegurança é geral, mas não vou me calar ou me trancar. Vou fazer por valer os impostos que pago (pago só o que declaro, mas não vamos entrar no mérito). A Justiça é lenta! Eu vou fazer a justiça funcionar. Se por acaso tiver que matar esse moleque alego legitima defesa... nada acontecerá comigo, até porque conheço o delega. Eu sou cidadão de bem! Eu não vou me calar! Eu não vou me esconder! Pena de Morte já!!!! Não me importa se maior ou de menor. Eu quero a liberdade. A minha liberdade.

“De Menor” da diretora Caru Alves de Souza é um filme atualíssimo. Dialoga com o assunto da maioridade penal, em voga no congresso e na sociedade, mas sem ser didática ou política. A história começa em Santos com a câmera acompanhando a personagem Helena entrando numa casa grande, com uma imensa faixa de “Vende-se” na frente, adentramos os cômodos, numa clara apresentação do terreno que veríamos. A casa tem um ar familiar, apesar do vazio. Apenas ela e Caio, seu irmão adolescente, moram lá. Orfãos, eles tem uma ligação de muito companheirismo, e ela, advogada, faz o papel de tutor do jovem. Somos também apresentados ao dia a dia de Helena no Fórum na Defensoria do Juizado de Menores. Dia pós dia casos de pequenos delitos de menores negros, favelados, sem família, desamparados são julgados e condenados à internação na Fundação Casa. Helena luta batalhas que sabe que perderá. Nem a amizade com o promotor (interpretado por Rui Ricardo Diaz) alivia as condenações feitas pelo juiz (Caco Ciocler). Enquanto isso, a rebeldia juvenil de Caio aflora. Amizades desconhecidas, nervosismo, mentiras despertam a atenção de Helena que não mais o controla. A parceria é desfeita. Até o ponto que vê a tensão familiar se confrontar com a profissional. Caio é um meliante? Loiro, branco, estudado, com família. A Justiça é impiedosa, mas é realmente justa?


Caru faz um filme de tom único e por vezes monótono do cotidiano, mas é um filme dinâmico nos nós que constroem os conflitos de Helena e Caio. Aliás, ótimas atuações de Rita Batata e Giovanni Gallo. É um filme urgente. O cinema nacional consegue ano após ano dialogar com a sociedade através de filmes inteligentes e politizados (não políticos). O filme foi o vencedor do Festival do Rio 2013, dividido com 'O Lobo Atrás da Porta', outro filme que escancara a violência, a maldade e o medo que inebria a atual sociedade. “De Menor” não dá respostas, não toma partido, não escolhe lado, mas mostra de forma aberta o que realmente ocorre no dia a dia da nossa justiça. A favor ou contra, veja e prestigie o cinema nacional de alta qualidade. 

Vitor Stefano
Sessões

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...